Casa nos Anjos

Santa Maria, Açores. 2018 | promotor imobiliário BuildingAzores


 previous arrow previous arrow
 next arrow next arrow
Full screenExit full screen
 previous arrow next arrow
Slider

A proposta incide sobre a construção de uma moradia para férias. O terreno, de configuração retangular, confronta com uma via de acesso, a norte, e caracteriza-se por uma pendente acentuada que sobe no sentido norte-sul. A proposta teve por base a manutenção das características do terreno, tirando partido da sua morfologia para a composição volumétrica do edifício.

A entrada faz-se através de uma escadaria exterior, construída em pedra tal como os muros divisórios da propriedade. Implantada ao centro do terreno, geometriza-o e organiza-o em três níveis distintos. O patamar de entrada faz-se a uma cota intermédia. Nesse primeiro nível, as áreas privativas desenham-se para o interior do terreno e as áreas sociais encontram-se na parte do volume que se projeta para norte. A ligação com o piso superior é feita pelo exterior, através da escadaria que a partir deste nível transforma-se num elemento vazado, construído em madeira. A ligação pelo exterior procura acentuar a relação dos residentes com o local. Sendo uma casa de férias, essa disposição programática procura introduzir um elemento dinâmico de relação das pessoas com o território, em oposição à dicotomia comum: interior-casa/exterior-rua. Além disso, permite a utilização independente de cada nível, emprestando ao edifício versatilidade e adaptação. No piso superior, o programa repete-se, mas numa disposição contrária à existente no nível inferior: a área social da casa faz-se na extremidade sul, priveligiando um carácter introspetivo, marcado por uma entrada de luz zenital, virada a poente. Na área privativa, dois grandes vãos abrem vistas sobre a paisagem, em oposição ao espaço anterior, criando assim uma dinâmica na relação entre interior e exterior. O objetivo não está em mostrar a vista a partir de todos os pontos da moradia, mas antes criar espaços de introspeção, em oposição a outros que se abrem sobre a paisagem. A partir do quarto têm-se acesso um terraço que mostra pela primeira vez, nesse passeio pela arquitetura, a vista panorâmica sobre a Baía dos Anjos.

 

Santa Maria, Açores. 2018

promotor imobiliário BuildingAzores


 previous arrow previous arrow
 next arrow next arrow
Full screenExit full screen
 previous arrow next arrow
Slider

A proposta incide sobre a construção de uma moradia para férias. O terreno, de configuração retangular, confronta com uma via de acesso, a norte, e caracteriza-se por uma pendente acentuada que sobe no sentido norte-sul. A proposta teve por base a manutenção das características do terreno, tirando partido da sua morfologia para a composição volumétrica do edifício.

A entrada faz-se através de uma escadaria exterior, construída em pedra tal como os muros divisórios da propriedade. Implantada ao centro do terreno, geometriza-o e organiza-o em três níveis distintos. O patamar de entrada faz-se a uma cota intermédia. Nesse primeiro nível, as áreas privativas desenham-se para o interior do terreno e as áreas sociais encontram-se na parte do volume que se projeta para norte. A ligação com o piso superior é feita pelo exterior, através da escadaria que a partir deste nível transforma-se num elemento vazado, construído em madeira. A ligação pelo exterior procura acentuar a relação dos residentes com o local. Sendo uma casa de férias, essa disposição programática procura introduzir um elemento dinâmico de relação das pessoas com o território, em oposição à dicotomia comum: interior-casa/exterior-rua. Além disso, permite a utilização independente de cada nível, emprestando ao edifício versatilidade e adaptação. No piso superior, o programa repete-se, mas numa disposição contrária à existente no nível inferior: a área social da casa faz-se na extremidade sul, priveligiando um carácter introspetivo, marcado por uma entrada de luz zenital, virada a poente. Na área privativa, dois grandes vãos abrem vistas sobre a paisagem, em oposição ao espaço anterior, criando assim uma dinâmica na relação entre interior e exterior. O objetivo não está em mostrar a vista a partir de todos os pontos da moradia, mas antes criar espaços de introspeção, em oposição a outros que se abrem sobre a paisagem. A partir do quarto têm-se acesso um terraço que mostra pela primeira vez, nesse passeio pela arquitetura, a vista panorâmica sobre a Baía dos Anjos.

Close Menu